Intro
Não, não por favor, isso foi a doze anos atrás, não por favor o que você vai fazer comigo? O que você vai fazer? Não, não, nãaooooo!!!! (Aaaaahhh!!)

(Omenin)

Era pra ser pra eu estar na sala de aula/
Olhando para o quadro estudando com calma/
Lembrando das matérias escrevendo direito/
Não quebrado no chão com um chute no peito/
O beiço sangrando os dentes para fora/
Escutando desaforo em vez de aula/
O que eu faço é somente estudar/
Não mexo com ninguém nem sou de falar/
Na minha mochila roubaram a minha comida/
Na minha cara levei mais que um soco/
Na minha sala já apanhei de cinta/
Nos meus biscoitos já colocaram argila/
Talvez um dia criem um psicopata/
Que caça, devora e mata...ahahaaaa!/
E não conseguem ver a placa do carro/
Levando o corpo inteiro todo triturado/
Porque o preconceito disso tudo é um saco/
Sobe na cabeça que nem um baseado/
Estou no chão, sangue exposto/
O corpo doendo, cortes no rosto/
A inveja ôs iludem/
O mal na alma fede mais que estrume/
Os meus olhos abrem as portas da sala/
Lembrando o passado que me abala/
O panaca dá risada do poeta da sala/
No braço pulseiras de besteiras/
Até parece hoje quando aquela menina/
Caminhava na rua com suas amigas/
Usando em seu braço as suas coloridas/
Até estar sem roupa toda despida/
Sem alguém por perto, sem suas amigas/
Acordando de um pesadelo em alta agonia/
Estrupada agora é que vale notícia/
Porque o povo gosta quando tem a polícia/
O menino de muleta empurrado no cascalho/
Todos rindo e ele sendo humilhado/
Se mijou, na frente de quem humilha/
O que sobrou lá foi o cheiro de urina/
E então sociedade que só fala se embala nisso que eu vou dizer/

(refrão)

Estou!, longe de voce aqui...
Eu vou!, atrás de voce sim...
Estou!, longe de voce aqui...
No bullying, que bullying, que bullying não dá!
Aaaaiii!
Voce não tem direito de escutar...
Voce não tem direito de amar...
Voce não tem direito de pensar...
Coisas boas sobre essas pessoas...

(K - Pone)

Observe, com atenção isso é um crime (Bullying) se não olhar direito/
Talvez não enxergue, acorde e leve o seu filho direto pro esgoto/
Apenas vivencie o inferno que ele tá entrando/
Passe, cinco minutos na escola e entenda do que estou falando/
Concerteza você, não tá entendendo porque a vida do seu filho/
Vem se destruindo/
E eu sei que ele não tá brincando quando diz que vai matar/
O colega de sala que está, lhe chantagiando/
Eu sei porque eu já passei por isso/
E eu não queria estar aqui agora me remoendo, querendo te encher de tiro/
Mas uma hora cansa ser, tratado como um lixo/
A forma que o sistema educa uma criança/
É dessa maneira que será o seu futuro e não esqueça/
Você cria uma lei e morre vitíma dela/
Você envenena uma semente e então cresce uma árvore deformada/
E não é á toa que agora, eu venho me drogando/
E que to sentindo a minha vida desabando/
Vivi minha infância numa casa da dor/
Que foi marcada com cicatrizes do terror/
Feitas por você que me intimidou/
Você que me xingava e que me jogava na cara que eu não servia para nada/
E eu sempre, quieto no meu canto/
Sendo assustado com alguém me ameaçando, se achando o melhor/
Se intitulando, o vencedor/
Que talvez agora morra, vitíma do meu rancor/
Professora, o que aconteceu nunca me deu valor/
Talvez com esse apelo você sinta a minha dor/
Mas agora voltar atrás já é tarde/
O monstro que cresceu em mim destruiu o meu nível de escolaridade/
Se eu cheguei até o fim da aula, não foi esperando um diploma/
Estou farto do seu ponta-pé na minha cara, tenho sede de vingança/
Lembro daquele passado e me sinto um bicho, afoito, com medo de tudo/
Talvez eu me torne um assassino , talvez todo ódio que eu guardo comigo/
Me faça cometer suicídio/
Ninguém merece tanta humilhação/
Alguém te fazendo, beijar os pés, ajoelhar no chão/
Logo me revolto e mudo a situação/

(refrão)

Estou!, longe de você aqui...
Eu vou!, atrás de você sim...
Estou!, longe de você aqui...
No bullying, que bullying, que bullying não dá!
Aaaaiii!
Voce não tem direito de escutar...
Voce não tem direito de amar...
Voce não tem direito de pensar...
Coisas boas sobre essas pessoas...

Aê seu otário agora você tá nas minhas mãos tá sabendo?
A presa virou caçador ein? Vou dar seus pedaços para o cão, chegou a sua hora...
(Não, não por favor não cara!, pelo amor de Deus cara!, por favor não não, não!...Aaaaaahhhh!!!!!, Aaaaaahhhh!!!!! , nãoooooooooo!!!!)